Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2011

quero ser cuidada.

em reticências

Ai gente, há bastante eu nao escrevo nada.
Há bastante tempo mesmo. Eu desenho letras e dedilho o teclado pela necessidade de tentar tirar alguma coisa de mim, pra ver se eu me entendo um pouco, se eu me alivio, se eu sorrio, sei lá... antes funcionava assim, mas o negócio é que nao sai mais nada, eu fico aqui girando todo um caos interno, o tempo inteiro, e quando eu sei que poderia estar escrevendo eu prefiro deixar girando de novo aqui dentro, pra crescer, porque uma coisa é certa, fica. Fica mesmo. Paradoxo.
Talvez eu esteja escrevendo assim agora porque me encontro no fim do meu ciclo menstrual e tudo muda. E muda tudo. Me sinto sozinha e abandonada, sempre. Inclusive uns meses atrás enquanto passava por essa fase hormonal paralela a outras sensações fortíssimas de solidão pensei em me matar. Mas é tranquilo, várias vezes eu penso isso, mas é óbvio que isso nao vai acontecer. "Não posso me deixar sozinha comigo mesma por muito tempo". Estou escrevendo isso pq.. é... est…
Imagem

2º dia de residência

muitas coisas em reflexão sobre o meu próprio trabalho, minhas motivações, meus estímulos para criação, um processo de colaboração com pessoas que não conheço, uma câmera que nunca usei, que fica acoplada no corpo e com olho-de-peixe. A câmera obriga a mudar toda forma já viciada de um pensamento de câmera externa, que fixa, controlada 100%, o tempo mais veloz, ou seja, tem que desconstruir a dinâmica de montagem de cena que já temos. Começamos a pensar algumas possibilidades de cena já, movimentos... mas ainda não encontramos a poética :)

Hoje visitamos mais duas locações: passarelas do eixão e o santuário dos pajés. Mas resolvemos anulá-las e explorar o potencial do cemitério.
Almoço de hoje: Feijão preto com cenoura e linguiça, tomate com cebola e cebolinha, alface, arroz, batatinha frita e farofa de cebola.

1º dia de residência

Imagem
ontem foi o primeiro dia da residência de vídeo-dança aqui em Brasília. Estamos (oli e eu) entre um paulista, dois pernambucanos, e duas baianas. Gente com o trampo bem legal, que foi exposto ontem lá no IH da ala norte do ICC. Nossa primeiríssima exposição dos nossos vídeos. Me sinto honrada e arrasando na balada.
Ontem tbm fizemos nossa primeira visita à primeira idéia de locação pro vídeodança a ser criado e apresentado no sábado, lá no beijódromo. O tema proposto pro vídeo é anti-turismo na capital brasileira. Primeira locação: Cemitério.

Almoço: Linguiça frita na frigideira com cebola, saladinha de tomate, macarrão com molho de tomate.
Vou postar aqui alguns trabalhos da galera da mostra e o nosso que foi mais aplaudido:







começo da noite eu senti saudade.
e fiquei perguntando se isso seria pra sempre.
pq eu nem te quero.
e não dói mais. é sério.
eu não quero ngm, isso eu sei: não é pra sempre.
pq eu fico pensando que vai doer de novo
eu sei - isso é pra sempre
doer é pra sempre.
só que por muitos ''por enquantos'' eu dei um tempo desse sempre.
agora não.

primeira exposição - primeira residência

Imagem

banho de Lua

Imagem
tem uma coisa pra mim que é muito especial: tomar banho de noite com a luz do banheiro apagada. E é mais especial quando a Lua tá apontando na janela, me alumiando enquanto a água toca. A poesia visita, o verso grita, mas nunca anoto. Isso acontece quando me deito e respiro, lembro que respiro. Acontece quando caminho, ou simplesmente quando paro. Fico ali parada. Parabólica.
Hoje no caminho pro metrô, de mãos dadas com a menina do cabelo do sol me perguntou se eu tenho sentido ALEGRIA - palavra forte pra mim. Respondi que SIM. E ela reforçou a pergunta: ALEGRIA? - com um sorriso acompanhando as palavras, depois dizendo que faz tempo que não sente essas 7 letrinhas aboletarem em seus dias. Eu respondi- sem pergunta antes- não deixando silêncio entre as falas, afobada: Faz pouco tempo que sinto alegria. "Hoje no R.U me disse alguém: Vc tá bem, ein?". Naquele momento percebi algo- estou bem. Não sabia, apenas fiquei bem. Recomecei. Fiz doce, tirei pedras e agora estou plantand…

eu passarinho.

Imagem

acabou chorare no meio do mundo

respirei eu fundo
foi-se tudo pra escanteio

cor-de-rosa

Imagem

14 de setembro - ainda bem que não entreguei.

Imagem

d e s p e r s i a n a

Imagem
experimentando edição

A dança

Imagem
Você com as suas drogas, e as suas teorias, e as sua rebeldia e a sua solidão... vive com seus excessos, mas não tem mais dinheiro pra comprar outra fulga. Então é outra festa, outra sexta-feira... que se foda o futuro. Vc se acha tão esperto, que está tão certo de que nunca vai errar. Vc nunca dançou com ódio de verdade. Tenha cuidado, um dia se vc dançar...
FODA-SE
FODA-SE
FODA-SE
FODA-SE
FODA-SE
FODA-SE
FODA-SE
FODA-SE
FODA-SE

pelo amor de deus, quando isso vai passar?

e a paixão que andou se escondendo?

debaixo dágua tudo era mais bonito
mas tinha que respirar
o que me dói nessa confusão toda é que eu lembro que não existe um sujeito aqui dentro de todo esse terreno com árvores, pés de fruta, flores, posses e discursos com aquela coisinha boa. uma tal de partilha, escuta.


"diamantes de pedaços
de vidro (...)

às vezes parecia
que era só improvisar
e o mundo então seria
um livro aberto (...)

quero ter alguém
com quem conversar
alguém que depois
não use o que eu disse
contra mim (...)"
vai ver se eu to lá na esquina - devo estar.
eu sei que benzinho me ama
eu sei que benzinho me admira
eu sei que benzinho ainda se lembra
eu sei que benzinho me acha bonito
eu sei que benzinho me deseja

por isso não beijo o te(u) desejo
quanto carinho, insegurança, apertim no coração, olhares fingidos de acaso.
mas tudo não passa de amor já passado. não esquecido.
ela diz toda a verdade, sempre.ele não. ela sente. é mistério. não acaso. é certo.

ela quer só estar.
mas ele pensa que não é só isso.
então sente que tem que se afastar.
na varanda
se declara: "te amo, tá?"
ela ouve e deixa sobrar as últimas sílabas. -tá?

abraça. sente o coração. na varanda.
todos na sala de estar tocando violão.
abraçados ainda.
ela quer dar um beijo. sem desejo.
beijo de saudade. beijo sinceridade.
com verdade. leve - levado pelo vento

que violência: esquivou-se.
não doeu.
ela disse: me dá um beijo, não é por nada. é só um beijo.
Beijou.
É, ele pensa que não é só estar.
Mas é só, tá?
estou sempre de chegada.
preciso ficar.
ficar, fincar até o momento de ir
de novo
pra depois chegar
mas esse é o momento
de fincar, ficar...

é...

Imagem
A vida é sonho
e os sonhos
sonhos são

de modo que o meu espírito ganhe um brilho definido

Imagem
chuva levanta poeira.
chuva faz lama.
chuva lava.
chuva molha.
chuva brota.
ccchhhhhhhhuuu
Imagem

PASSEI, MIERDA!!!!