Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2012

Sélavy

“Não atribuo ao artista uma espécie de função social em que ele se acha obrigado a fazer qualquer coisa, em que tenha um dever para com o público. Tenho horror a todas essas considerações”.
Duchamp, eu tenho que me desprender mais.
Eu sei que já sou, mas quero mais, mais, mais, mais...

olho que viu.

Imagem

momentinhos dentro do momentinho

Imagem

CrioloDoido

Imagem
um encanto de mistérios dentro da pele do menino, moço, cara, marmanjo. uma inocência e medo no olhar, um saco-cheio, um foda-se, uma responsabilidade. tem muito medo naquelas marcas faciais. tem sim. tem muita coragem. e tem dor.

quanto eu existo?

estive pensando na possibilidade de não ser eu por hoje, ou amanhã.
já que tem sido desconfortável ser dentro de mim nas últimas horas. pensar o contrário entre os segundos, entre um movimento e outro, entre uma irritação e outra, frutração e outra, prato e outro, outros e outras, outra.
pra retornar aos meus 5 minutos de minha dança.

faz e pronto?

Imagem

quando duas entram com as palavras e uma com o olhar

hoje eu olhei pro céu entre o escurinho e o escurão da noite, bem ali no campão da casinha depois do ensaio. era silêncio e eu desejei sua presença ali. Estava um céu que só dançando dá pra mostrar, azul escuro, mas aceso. E tinha uma nuvem gigantesca maravilhosa, redonda. Era ali o horizonte inteiro do mundo. Às vezes dá pra ver mesmo o mundo inteiro, e é uma sensação louca. Te desejei ali porque um abraço daquele dava conta. Sensação louca de um vazio gigantesco dentro, cheio de tudo. É isso. Pois.

conclusão:

algumas letras trocadas
nenhuma preocupação com tempo
possível arrependimento de
ter achado importante dizer
e algumas frases que me sorriem.

como é escrever muito bêbada?

como é,ein? eu pergunto pra mim mesma, uns minutos antes de sair daquela festa com muitas histórias entrecortadas que se olhavam e muitas outras que m eolhava sem história nenhuma.
E o barulho do teclado soa mais alto com nunca antes, e olha que aqui nem há  tanto silêncio assim.
Olhos ardem, minha cabeça pesa, e eu me sinto com os dentes moles. Uma noite de mulheres quem sabem pelo menos um pouquinho que tem o poder de suas vidas. E precisa ser mulher pra isso. CAbelos cambalaches. piercings. tatuagens. sexualidade brotando e muita delicadeza violenta. olhares de quem ama um sol guardado em casa. Olhares de quem ama um terra. Mas idaí? Acontece que tinha também barba, e aqueles cabelos que não deram a mínima. Não... até que a barba plantou a semente. acabou naquela roda de samba e côco e o pandeiro na minha mão e de sabiá, é o único lugar onde a gente ainda se encontra no olhar, mesmo ela fechando os olhos...



meu deus... escrever muito bêbada, pra saber o que é mesmo... só amanhã....
E …
a gente olha pras coisas
e ve o tempo nelas
e ve só o tempo que conseguimos ver durante todo esse tempo
eu olho pras coisas e vejo 20 anos nelas
isadora ve 19 anos nas coisas
marcelinho ve 10 anos
junia ve o tempo nas coisas

subver(s)ti

Imagem
foi quando uma menina bonita falou que ainda tinha a idade que ela tinha que eu me dei conta que ela ainda tinha aquela idade. horas depois foi que vi que eu ainda tinha 20 anos. ao passo que os dias, ao mesmo tempo, estão correndo, quando já se viu: 25 minutos da quinta-feira no pleno agora. eu ainda tenho 20 anos, e olha que ainda tenho mais uns 3 meses pela frente, firmes e fortes.
tá correndo bem lento. quanta coisa, e eu aqui vendo o tempo. quanta coisa, gente, dor, beijo, casa, voltança, ida, abraço, música, filme, flerte, visita, trabalho, dança, escuta, falação, comidas, almoços e quanta falta de tempo.

é um corre-corre dentro da eternidade.
vida.
então, cheguei em casa na hora do almoço (daquele jeito: já saindo), e subverti tudo isso. decidi passar um tempinho com argila na cara. porque eu precisava apoiar na pia amarela do banheiro, olhar nos meus olhos, fechá-los e fazer uma respiração profunda e lenta, duas vezes, então, perder um pouquinho de tempo (perder tempo não que…

de um tempo com você...

Imagem

Casa é tempo

Imagem

um tempo com você, sorrisinho.

Imagem

A noite, o dia, a noite, o dia

Não consigo dormir. Tenho uma mulher atravessada entre minhas pálpebras. Se pudesse, diria a ela que fosse embora; mas tenho uma mulher atravessada em minha garganta.

capricornianas e aquariano

Imagem
De repente, fumaça, ser, é brilhante.
porta fechada.

podemos deixar que a beleza cuide de si mesma?

lindos com luzes

Imagem

o tempo

um bom poema
leva anos
cinco jogando bola,
mais cinco estudando sânscrito,
seis carregando pedra,
nove namorando a vizinha,
sete levando porrada,
quatro andando sozinho,
três mudando de cidade,
dez trocando de assunto,
uma eternidade, eu e você,
caminhando junto
eu sou assim.

(...)

Imagem
Eu ainda nao consigo dizer.
e faz tempo, ja.
O tempo faz, né?
Eu preciso desse tempo agora.
de Lembranças.
e de só.
E eu preciso desse tempo com você pra calçar o tênis
e descalçá-los novamente.
Porque:
Só e é Sol.

Chá de Cadeira

Imagem
Esqueci de postar aqui a última brincadeira. taí, divirta-se.

pra criar qualquer coisa é só lembrar que

As coisas tem peso, massa, volume, tamanho, tempo, forma, cor, posição textura, duração, densidade, cheiro, valor, consistência, profundidade, contorno, temperatura, função, aparência, preço, destino, idade, sentido. As coisas não tem paz.
poema poema meu
existe alguém
mais poeta do que eu?

ensaio de Lua

Imagem
eu, do tamanho dos meus contornos.

anti-comunicativo

entre mim e você existe um abismo
é exatamente aí onde a poesia se rende a nós duas, a nós dois.

até o abandono tá pelas metades

aqui tá tão abandonadinho. alterar o endereço de onde dormem e acordam os pés transmuta muito a vida. mas hoje vai ser diferente, mais foco. deixa só eu terminar umas coisinhas de rabeira que arrumo essa casa. Nela pousam meus dedos e onde adormecem e dançam os pés. No dia 30 de abril tive a impressão que nunca tinha passado pelo 30 de abril há 20 anos, quase 21. Há um mês me finquei em outro luggar: na asa de um calango abri minha nova casa, com quem divide danças, batuques, grãos e risos. As mudanças tem sido como a água que passa pela brecha das portas e vai escorrendo até lavar, ou lamar ou inundar, e assim também tem escorrido aos litros meu amor.