Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2012

ainda lendas do olhai

eu sei o que é aproveitar o tempo.
dentro dele. me perco. e estou no caminho.
como eu me delicio nas pessoas.
me perco nelas. logo, no tempo.
e vou vivendo assim.
me arrependendo em tempo integral.
sem culpa, e bolachas de água e sal.
eu já quis ser caminhante com o vento.
e hoje eu quis saber outra língua.
francês mexicano. espanhol indiano.
outras mulheres.
lábios. grandes lábios.
eu preciso andar por aí.
vamos fazer um filme?
a gente dorme. aí gente acorda e volta ao normal.
ontem à noite eu não lati. ontem à noite eu não lati.
eu quase explodi pelo que me passou aos olhos.
mas poupei meus pedaços que seriam espalhados.
eu sei que você cataria. mas os guardaria.
você. você. você. ai ai, você brinca, né?
eu também sei. sei tanto e nada. neeeeeeem...
e brinco, mas comigo.

espaço entre os tempos dos olhos

Imagem
‎"o mais interessante nas pessoas é o seu anonimato. o resto elas disfarçam tentando ser alguém. e fica um saco.  e falam, como se tivessem que necessariamente cobrir um grande buraco. por isso eu fico olhando todas  passarem, com essa cara de retardamento autista, é minha especialidade, não disfarce, eu gosto do gosto de lamber te com olhos!"

Daí eu li isso que a Carol escreveu e achei parecido com o que eu sinto e que andei compartilhando na madrugada passada com alguém. 
É mais fácil quando está  escutar simultaneamente o que ela tem pra dizer, com toda a paciência do mundo inteiro. oh! estou a olhar alguém - percebo - que fascínio, e então ela deixa, deixa eu olhar pra ela, lamber todas as suas formas, rugas, marcas de expressão, dentes, seu olhar morto que me olha também sem perceber, e aí eu olho olho olho. a pessoa deixa. fascinante. o silêncio atrapalha. 
hoje na pizzaria um cara que acompanhava uma amiga perguntou se já nos conhecíamos: não! "você me olha tão íntim…

uma linda tarde de imagens

Imagem

choveu dentro de mim, as cigarras anunciaram antes

cheiro que ultrapassa as roupas  as fronhas resiste à água
e o coração bate  tum tum tum e o útero emerge tuuuuuuuuuuuum.

chuva que trouxe

hoje
                      acordei
                              comi fruta
          amarela
                         rosa
e
     branca e
                                      e                   senti saudade           saúde          saudade


                         pontuadinha               .               .                 .

não se conformariam com a morte

Imagem

barulhinho bom

Imagem
e até me pergunto, sabe?
até onde vai tudo isso.
estou indo tão longe
pra longe de casa
e tão perto de mim
eu acho
se eu me perder
mãe,
eu um dia volto
mas não agora
depois
eu abracei meu irmão naquela noite
quente
com luzes
e águas reviradas

quem vem lá

Imagem
se você me chamar
eu vou
você sabe
mas é só de brincadeira
brincadeira
da que a gente sabe
se você me chamar
 eu vou
sou eu, sou eu


Imagem

círculo de fogo ou fortalezas e vulnerabilidades

Imagem

terra

Imagem

encantador de passarim, tocador de árvore ou caminhante do céu

Imagem
A tal menina de águas revirar
De fogo ia criar
De luz uma passarela
Lá da janela
Cor de anilina
Cor que não se via
via Amaralina

eu parei de incentivar o matadouro, e você?

Imagem
eu juro que pra começar qualquer grande mudança é: DECISÃO.

amores

Imagem
tem sexo que é desse jeito. cantando. tem amor que é desse jeito. cantando e cantando. às vezes é só isso só. tudo isso. existe casamento de olhos.
eu quero mais choques.
mais.
eu quero mais.

eu não tenho saudade porque tudo tá cuado em papéis

e um deles, está assim - novembro de 2010:
"príncipe das chuvas do reino dourado-azul,
como colocar roupas no varal se começa a chover? hoje só escovei os dentes, quando levanto os braços, penso em você, pra você. é uma camisa grande rosa. a gente sai às ruas e vê o desfile de lindos guarda-chuvas, menos o meu, de olinda... saudade dele. Já foi em dia de domingo no buraco do tatu? é a concreta solidão que existe em brasília, a solidão que pesa mesmoo que o eixão esteja engarrafado. todo esse vazio que arde no estômago me faz perguntar a pergunta clichê - a quê servem os poetas. os poetas servem ao corpo que não está, à palavra que não esquece, ao silêncio. não servem ao tudo, porque nada são inquilinos, embora prestem pra alugar outro ou estrela - só estão aí porque sem utopia não bastaria um abraço.
este ano é o ano do tigre. parece que mesmo com tudo acontecendo nada acontece, e é tudo rápido-súbito, ou lento-súbito. vai me encurtando, fazendo tensões, diminuindo, dando pra caber…

samambaias fvuulf

Imagem
pra que? que besteira. uma falange machucada, do pé. tudo por conta daquele salto na sequência de golpes altamente violentos marginais. muitas bandas. muitas bandas. calcanhar nas canelas. uma bundada na cara, de um cara grande e gordo. um cu peludo na minha cara. beijo beijo beijo beijo de leãozinho pra amenizar a última lembrança. desses pensamentos corrridos e atropelados por outros pensamentos e sensações corridas. o metatarso e falange se comunicam agora. eu ouço. essa música também, que toca enquanto eu penso como será o final desse texto. mas nunca que eu vou conseguir escrever (pausa), poruqe as mãos perdem pro estado-tempo-espaço. pensei na composição das tres ultimas palavras, e pensei nessa ação, metalinguísticamente. que me faz lembrar da professora bernadete quando eu estudava no jk,, um colégio azul sem sombra, sons... aquele burburio dos corredores no intervalo, o sinal, a sirene, a cantina, a quadra de sol, o jardim, aquela partida de ping-pong, eu com o tênis da minha…
Imagem
eu fico sem ninguém em mim


luazul

tudo é uma coisa só. a lua azul. a lua azul. pipoca laranja. alguma coisa que me dê sentido. e eu sempre fico pensando que é isso que tem que ser. é óbvio. é óbvio. é óbvio. sandy e júnior, é óbvio que o que é imortal não morre no final. então fico tranquila. eu preciso fincar num cais. e dia 3 de setembro é um ótimo dia pra não ficar assustada com a minha irresponsabilidade, des-paixão, des-envolvimento. e eu nem to cansada. tô aí pra jogo. e mais essa agora: mostrar pra uma penca de gente que é segura de que sabe todas as coisas do mundo como é importante fazer o que pra mim é importante pra viver. que fase de vida é essa, gente? e essas noites quentes de primavera?e essas noites quentes de primavera? lua no alto, seios de fora sem medo do peito que pode esfriar. o coração friozim. mas ainda tem brasa. e ele sempre pensa naquilo. o problema é que ele nã tá leão. ele tem pensado muito antes de agir.

noites quentes de primavera.
coração que venta gelado.
desfolhando-se.