Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2012

mas se tudo é efêmero, não devíamos sentir tantas coisas que oscilam assim diante da eternidade

o ciúme
os c c iiil la
entre a ra i v        a
e o pâpâpâni  i co

e o a amor
concor do
com leminski rei
ele os c c iiil la
entre o amarelo
e
o
azul
água
água
água
água
água
água
água

mata
mata

fogo
fogo
fogo

mata
mata
mata

lua

lua

ar
sol
ar
céu dublado.
Maria Eugênia Matricardi - PCCP / FLAAC 2012 from CORPOS INFORMÁTICOS on Vimeo.

- Amor, acho que entendi o que foi. Vou te mostrar, se você não - de costas, olhando junto com você. Muitos pacotes e pacotes e pacotes de grão de açúcar do umbigo caidos por entre-abaixo concreto e loucura babilônica semafílica. pacotes de açúcar acabam.

- Matar um filho é doce, queridos.

- Júlia chupando manga debaixo Dárvore, olhou para as distâncias e perguntou quanto doce cabe dali até qui.
são pedro, segura essa chuva aí pra daqui uns 15 minutos no mínimo. que é o tempo de sair das 900 e chegar nas 400. sobreviver aos eixinhos e eixões em pleno novembro, mês em que todos já estão enlouquecendo. levar uma carreirinha de uma corujinha-corujona mudadora de rotas!


valeu, nossa senhora do cerrado!
não, eu não vou comprar uma lanchinho. prefiro comprar uma bandeija de ovos, dura a semana inteira.
chego em casa, horário do almoço, abro a porta e dou de cara com uma bruxa voando na sala. esqueci as janelas abertas.

meninas começam m de mistério

Imagem

amora? tem alguém aí?

Imagem

boca da noite

me rio me lua me pote me jacá me poço me mato me pilão me barro (...) me cabaça me cacimba me vaga-lume lamparina me poetizo  em ti
por existir a morte, não morreremos.

não precisa de dança, a existência já basta.

Imagem
desculpe a minha falta de generosidade.

as flores que nascem das sereias são rainhas da mata

Imagem
a m a r
quem foi que disse que amar bem é amar menos do que se pode amar, achando que está deixando o perigo de amar lá em baixo do abismo?
 e está mesmo.
está abandonando os próprios abismos.
e quem não mora em seus abismos nem anda com seus fantasmas, né manoel, não é marcado. nunca é exposto às fraquezas, ao desalento, ao próprio amor, ao poema.
a m a r é a m a r s e m m e d i d a, e s s a é a m e d i d a.
Imagem

cabelos lisos longos acompanhados de olhos que me viram dançar.

Imagem
Primeiro fomos água. Cachueira, borbulinhas de pum nágua, rio manso, laiá inteira até chegar numa taça de cristal sem qualquer. só com vento.  Ligamos nosso(s) espírito(s), que não sabemos se temos, às estrelas por um fiozinho que sai do topo da nossa cabeça, nossos braços de guerreirxs. Caminhar. Andar. Caminhar. Andar. Você não precisa mostrar, se você já sente aquilo, é o suficiente para ser visto, radiado. Não foque, veja tudo. quantos tempos dentro dos tempos que não vemos passar. não deu tempo para ver o tempo passar. três horas junto de muitos alguéns e qualqueres não nos deixa perceber rugas, marcas, cabelos crescendo. Aquela voz que escutávamos, não sei dizer sobre ela.
Não sei dizer sobre nada. Estou numa mera tentativa sem expectativas, já que tem tempo que a reflexão e memória perderam um pouquinho o valor em minhas palavras aqui. A experiência conta mais. Mas é isso que nos resta mesmo. 
Tem que ser nada para ser tanto, para podermos ser sonhadxs pelas garças. Mas fomos …

Qualquer

Imagem
beija-flor
libélula
serpente

paquidermia

Imagem

así es como se enamora tu corazón con el mío

Imagem
Yo he visto una garza mora-dandole combte al Río,
Así es como se enamora tu corazón con el mío,
Yo he visto una garza mora-dandole combte al Río,
Así es como se enamora,
así es como se enamora tu corazón con el mío,
Tu corazón con el mío.

Y Luna, luna, luna, luna llena
Menguante, luna, luna, luna, luna llena
Menguante.

Y anda a la casa muchacha
y me trae la caravina
Pa' mata' ese gavilan
que no me deja gallina.

La luna me esta mirando y yo no se
lo que me ve,
yo tengo la ropa limpia
ayer tarde la lave.

La luna me esta mirando,
yo no se lo que me ve,
yo tengo la ropa limpia
yo tengo la ropa limpia
ayer tarde la lave
ayer tarde la lave.

Luna, luna, luna, luna llena
Menguante.
Luna, luna, luna, luna llena
Menguante.
o clímax
 não é
no clítor

dentro do carinho.

Imagem

o tempo, o sentir, a chuva, o pensamento que vale menos que a luz do sol.

"(...) O tempo, em lugar nenhum e em silêncio, passa.
É inegável - todos temos mais dez anos agora. Ainda bem, poderíamos ter menos dez. Tudo nos aconteceu. Amamos, disso temos certeza. E fomos amados - onde encontrar a certeza?

Avançamos aqui materialmente, ali não, nos realizamos neste ponto, em outros queríamos mais, algumas coisas tivemos mais do que pretendíamos ou merecíamos - mas isso é d
ifícil de reconhecer. Perdemos alguém - "Viver é perder amigos".

No meio do feio e do amargo, no tumulto e no desgaste, tivemos mil diminutos de felicidade, no ar, no olhar, na palavra de afeto inesperado, que sei? Espera, eu sei. É a única lição que tenho a dar; a vida é pequena, breve, e perto. Muito perto - é preciso estar atento."

Millôr Fernandes